terça-feira, 17 de abril de 2012

O que leva a mãe prolongar o aleitamento materno de seu filho

   Uma grande dúvida surge na hora de desmamar o bebê. O Ministério da Saúde recomenda amamentar até dois anos ou mais. Minha filha está para completar 2 anos mês que vem, estou com muitas dúvidas de como irei fazer esse desmame, para que seja tão traumático (me importo com isso). Consultei um ginecologista que indicou um medicamento para secar o leite, e parar repentinamente, de uma hora para outra. Sinceramente, não creio que esta seja a forma mais correta a se fazer. Estou buscando ajuda, procurando artigos, lendo sobre o assunto. Conversando com mães que estão passando ou já passaram pela mesma situação. Encontrei um artigo científico muito interessante, gostaria de compartilhar.

Foto histórica da Cássia Eller amamentando seu filho Chicão – já bem grandão – em plena praia. Adorei.
Cássia Eller – 10 anos – 1962/2001


Prolongamento da amamentação após o primeiro ano de vida: argumentos das mães

RESUMO

O objetivo deste estudo foi identificar e analisar as justificativas referidas por mães para prolongar o aleitamento materno de seus filhos além do primeiro ano de vida da criança. A metodologia envolveu o estudo de 40 mães cujos filhos eram atendidos pelo Centro de Pesquisa e Atendimento Odontológico para Pacientes Especiais – Cepae – da Faculdade de Odontologia de Piracicaba – UNICAMP. Para que a mãe fosse incluída no estudo, deveria estar amamentando depois do 12º mês de vida da criança. As participantes foram entrevistadas individualmente, utilizando-se um questionário específico. Todas as entrevistas foram gravadas em áudio. Os resultados mostraram que o motivo mais referido pelas mães para a manutenção da amamentação foi o prazer materno. Também foi observado que a proximidade mãe-bebê favorece o prolongamento do aleitamento. Estudos ainda são requeridos para obtenção de análises funcionais mais precisas de variáveis que levam ao prolongamento ou interrupção do aleitamento materno.


Acesse o artigo completo AQUI

Analisando o Desmame

Resumo

A amamentação reflete em geral a harmonia ou desarmonia na relação entre a mãe e o bebê. É uma situação rica em sensações tanto para a mãe quanto para o bebê. Mas à partir de um certo momento é necessário que essa relação incestuosa cesse para que a criança surja como sujeito e se torne mais autônoma. A brincadeira de deixar cair os objetos mostra quando a criança está preparada para o desmame. O desmame é a separação do corpo à corpo entre a mãe e o bebê, ele é simultâneo da divisão interna que institui o inconsciente.



A psicanálise nos diz que a relação que se estabelece entre a criança e a mãe durante o período de amamentação dá sua forma aos relacionamentos futuros e particularmente aos relacionamentos amorosos na idade adulta. Percebemos no entanto que nem sempre essa relação se passa de maneira harmoniosa e o desmame muito freqüentemente é problemático. A desarmonia entre a mãe e o bebê, em certos casos, parece ser tal que vai bem além da discordância fundamental existente entre os humanos, o que nos leva a refletir um pouco sobre o que se passa nesse momento.

Freud nos revelou que o bebê não se separa subjetivamente da mãe quando nasce, embora seu corpo se separe do dela. A verdadeira separação ocorre no momento do desmame. Por isso o bebê precisa continuar muito próximo da mãe até que esteja preparado para essa separação. A amamentação no seio parece ser a forma de cuidados com o recém-nascido que mais se aproxima da continuidade intra-uterina ao mesmo tempo em que prepara progressivamente o bebê para o desmame e para a autonomia.

Durante a vida intrauterina o bebê não sente falta de nada, mas ele já tem uma certa percepção do mundo que o rodeia. Aos dois meses o embrião já reage quando é tocado. O desenvolvimento das papilas gustativas e do olfato se faz logo em seguida mas a alimentação e a oxigenação são contínuas pelo cordão umbilical. Desde os 3 meses de gestação o feto é sensível aos estímulos sonoros. Ele ouve inicialmente os sons graves, tanto mais graves quanto mais jovem é. Ouve a voz da mãe que é mais próxima, e a voz do pai mais distante, além dos outros ruídos do meio. Ouve também o diálogo entre os pais e vive muito em função das emoções da mãe. Desde as primeiras semanas consecutivas à concepção o feto percebe os movimentos da mãe que dão um ritmo à sua vida. No sétimo mês de gestação a criança já pode ver, mas é pouco estimulada pela escuridão do ventre materno.

Algumas dessas percepções continuam depois do nascimento mas com a distinção dos corpos alguns cortes se operam rompendo a continuidade em que a criança vivia. Ela perde seus envoltórios e conhece a sensação de frio na pele que vem lhe provocar um certo mal-estar. Ela começa a sentir fome e sede que antes não sentia. Com poucos dias ela já mostra uma reação aos sabores pela mímica. A respiração entra em jogo o que se acompanha do nascimento da angústia e se manifesta por um grito.

Em seguida, o odor permitirá ao bebê reconhecer e sentir a proximidade de seu pai e sua mãe. Com 3 dias de nascido o bebê já distingue a voz da mãe de outra voz feminina. A voz da mãe estimula nele a atividade de sugar e de mamar. Ele passa também a conhecer a imobilidade externa que lhe dá uma sensação de desamparo. A criança manifesta desde cêdo um grande interesse pelo rosto materno, interesse que estaria na origem das primeiras identificações. Desde a primeira semana de vida, a atividade visual é função do valor que a mãe lhe dá, ou seja desse encontro com o rosto do outro.

Assim se estabelece a relação oral, cuja atividade consiste em mamar, sugar, engolir e morder, através da qual a criança busca restabelecer a completude em que estava no útero. Freud faz uma distinção entre sugar e mamar sendo que a mamada no seio materno é a primeira e mais vital das atividades. A sucção também é procura da satisfação como a mamada, mas somente na fantasia do bebê, o que nos mostra que ele procura algo mais além do que simplesmente saciar a fome.

O movimento de sucção que freqüentemente o bebê faz mesmo sem estar mamando, é também sinal de que está interessado por outras coisas no mundo que o rodeia. Ele engole, não somente o alimento, mas também o olhar, a voz e o calor da mãe. Ele é alimentado ao mesmo tempo pela boca, pelos ouvidos, pelos olhos, pela pele. Isso quer dizer que todas essas percepções passam a fazer parte dele, embora algumas ele possa rejeitar, o que ele manifesta por exemplo quando vomita o leite. A mordida surge em seguida com o nascimento dos dentes, quando aparece combinada à libido uma pulsão agressiva e destrutiva. É freqüentemente um momento em que as mães decidem desmamar o filho, muito mais como punição pela mordida que por um desejo propriamente dito de desmamar.

O objeto que satisfaz ao bebê, o seio, é primeiramente percebido como fazendo parte dele mesmo, e o desmame será para ele como perder uma parte de si mesmo. Daí a importância de que seja feito progressivamente e que a relação entre ele e a mãe se passe também pela fala e pelo olhar. Assim a criança se prepara para perder o seio, na medida em que este poderá ser substituído pela voz, pela palavra e pelo olhar. É também importante que nesse momento seja sempre o mesmo rosto que cuide dele, a mesma voz, o mesmo olhar, o mesmo cheiro, para que ele possa depois reconhecer a unidade de seu corpo e do de sua mãe.

A amamentação é em si uma situação rica em sensações sexuais, não somente para a criança mas também para a mãe, situação que se apóia num reflexo fisiológico. A sucção do seio provoca a contração do músculo uterino, o que se acompanha de excitação sexual. A erogeneidade dos mamilos também é fonte de sensações sexuais para a mãe. É muito importante que não somente a criança, mas que também a mãe tenha prazer com a amamentação. Algumas mães ficam muito inquietas com isso, o que pode provocar dificuldades na amamentação e até mesmo inibição da lactação. Outras vezes também, sem se dar conta, algumas mães se consolam com o bebê de suas frustrações eróticas, ficam muito coladas com ele, dando-lhe às vezes o lugar do próprio marido na cama. Tudo isso também influencia na harmonia ou desarmonia da relação entre a mãe e o bebê.

Todos os cuidados dados pela mãe induzem a sexualização precoce da criança, e é normal que seja assim, sendo a amamentação o tempo permitido à criança para permanecer nessa relação incestuosa. Mas essa relação deve ser proibida a partir de um determinado momento e submetida à castração para que a criança possa justamente ter acesso ao simbólico e à linguagem. O desmame é a interdição dessa relação com o seio. É frequentemente um traumatismo que provoca tristeza no bebê e deixa nele traços permanentes. É no momento do desmame que a criança se separa da mãe subjetivamente relembrando o nascimento. Esse momento é doloroso também para a mãe, mas é indispensável para a estruturação da criança. A separação do desmame é na realidade o reflexo de uma divisão interna na própria criança que funda o inconsciente e lhe faz entrar na linguagem, tornar-se falante. A criança mostra que está pronta para isso quando começa a brincar de deixar cair os objetos e esperar que retornem, o que acontece entre 6 e 18 meses. Ao mesmo tempo o intervalo entre as mamadas aumenta, algumas vão sendo suprimidas.

Ela pode suportar um tempo cada vez maior de ausência do seio. A brincadeira de deixar cair já é de certa forma a representação do desmame. Isso acontece porque a criança percebe que não satisfaz inteiramente a mãe, pois a mãe se interessa pelo pai. Com o desmame, a relação que era dual passa a ser ternária. E a criança que até então se percebia numa espécie de indissociação com a mãe, e que ainda não tinha noção da unidade do corpo da mãe, passa a percebê-la como objeto inteiro, ou seja, a voz, o olhar, o rosto, o cheiro, o seio, pertencem todos à uma mesma pessoa e desse conjunto mãe, ela não faz parte. Ela como se deixa então cair da mãe como deixa cair o seio e deixa cair um brinquedo, ao mesmo tempo em que sua autonomia muscular aumenta. Identificando-se com essa parte perdida de si mesma ela surge então como sujeito desejante. A linguagem se desenvolve, ela passa a se interessar por outros alimentos, outras pessoas, outros objetos, outras percepções.


Autora: 

Telma C. N. Queiroz
Psiquiatra, psicanalista, professora do Centro de Ciências da Saúde da UFPb e doutora em psicologia pela Universidade de Paris 13.

Bibliografia:


FREUD Sigmund: Três ensaios sobre a teoria da sexualidade (1905) in __________: Obras psicológicas completas. Tradução sob a direção de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1989, volume VII, pp.117-228. Edição Standard Brasileira.

FREUD Sigmund: Inibições, sintomas e ansiedade (1925-26) in ____________: Obras psicológicas completas. Tradução sob a direção de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1976, Volume XX, pp. 93-199. Edição Standard Brasileira.

HERBINET Etienne e BUSNEL Marie-Claire (direction): L’aube des sens. Les Cahiers du nouveau-né nº 5. Paris: Editions Stock, 1982, 414p.
LACAN Jacques: Le Séminaire – livre IV – La Relation d’objet. Paris : Editions du Seuil, septembre 1986, 379p.

LACAN Jacques: L’Angoisse. Publication hors commerce.
Document interne à l’Association Freudienne et destiné à ses membres.

LANOUZIÈRE Jacqueline: Histoire sécrète de la séduction sous le règne de Freud. Paris : P.U.F. 1991, 176p.

WINNICOTT D. W.: L’enfant et sa famille.
Paris: Petite Bibliothèque Payot, 1981, 214p.
Publicado em 18/04/2007

Fonte: Site Psicopedagogia Brasil

Mãe e a fronteira do céu

A relação de uma mãe com seu filho é de uma singularidade que nenhum outro vínculo afetivo é capaz de compreender.

"ser mãe é padecer no paraíso". Provavelmente trata-se de uma tradução leiga do Gênesis, do "parirás com dor", maldição lançada por Deus contra a mulher desobediente. A dor surge exatamente no momento da maior alegria que um ser humano pode ter: dar à luz um novo ser. A editora pergunta se não é exagerado associar a maternidade ao paraíso, mesmo que dolorido. Pensa-se que não. Isso fala de uma especificidade do amor materno, diferente do paterno.
Estudemos uma cena mais que habitual. Pai, mãe e filho-bebê estão na sala. O bebê fala, por assim dizer, faz um barulho como "ióóó". O pai fica indiferente, a mãe exclama: "Ah, coitadinho, está com fome". Passado certo tempo, lá vem o bebê de novo, agora com: "heiuc, heiuc". Pai, impassível. Mãe: "Você viu como ele está contente com o novo chocalho?". Daí, em seguida, para dizer que "spé, spé" é dor de ouvido, fica fácil. O pai disfarça seu espanto descrente desse diálogo, a ele, esquisitíssimo. Mas imagine só se não houvesse alguém suficientemente "imaginativo", sendo delicado, para interpretar esses primeiros balbucios incompreensíveis a um pai?

A RELAÇÃO DA MÃE COM UM FILHO É IMEDIATA. O PAI FICA LOUCO PARA QUE O FILHO COMECE A FALAR E ANDAR PARA QUE ELE O SINTA COMO SEU FILHO
A relação de uma mãe com um filho é imediata, ela não depende das formas estabelecidas da cultura. O pai fica louco para que o filho comece a falar e andar para que ele o sinta como seu filho. Batismo para pai é o primeiro jogo de futebol juntos. Ah! Aí a alegria independe do resultado do jogo! Mãe, não. Vejamos outro exemplo, mais triste, mas não menos evidente. O que vemos nas filas das portas dos presídios em dias de visitas? Mães ou pais? Mães, a resposta é fácil, dada a grande discrepância. Como amor de mãe não tem o intermediário da cultura - é direto -, filho nunca é criminoso, é sempre, e antes de tudo, filho. Chico Buarque cantou esse aspecto em Meu guri, a história daquela mãe que diante de todas as evidências da bandidagem do guri, continuava a vê-lo como um anjo de altar. Assim são as mães.
Se paraíso é a contemplação direta do divino, ser mãe tem um quê de paradisíaco, pois assim ela vê seu filho. E a dor? Ora, a dor, paradoxalmente, pode até ser buscada como marca de ligação com o filho, do gênero da equação emocional: "Se sofro dessa maneira, é só por você, porque você é meu filho". É o uso do sofrimento como assinatura do cartório do paraíso.
Hoje, de fato, está um pouco em desuso choramingos maternais. A liberação sexual e econômica da mulher é um pouco incompatível com essa ideia de mater dolorosa; fala-se, então, em uma mãe real. Mas o que será isso: "mãe real"? Aquela que cuida dos filhos, que trabalha, se arruma e namora? Sim, conhecemos essa mãe, é a mãe objetiva, que vive reclamando de seus vários empregos, fora de casa e em casa, que requer direitos sobre sua alegada dupla ou tripla jornada de trabalho, que está exausta, arre! Pobre moça! Será que não fica mais fácil dizer sobre sua satisfação de poder ter vários papéis e ainda manter só para si o prazer enorme de poder traduzir um grunhido de uma criança em: "te amo, mamãe", ao qual pai nenhum pode contestar?
Existem mães que, preocupadas com suas imperfeições, exageram na busca de manuais da mãe exemplar. Não é um bom caminho, acabam dando material para as caricaturas tão conhecidas do Ziraldo. Não existe mãe perfeita nem ideal, há, sim, para cada um, alguém que cumpre essa função com suas qualidades e defeitos. E é sempre melhor que o fi- lho enfrente o defeito de uma mãe que o de um suposto técnico em maternidade. Falava-se antigamente que a mãe perfeita seria a mãe asmática, pois ao responder imediatamente a cada pedido do filho, antes mesmo que ele se pronunciasse, acabava por sufocá-lo.
Enfim, mãe, sofrer no paraíso é demasiadamente humano e mortal. É o passaporte de dupla nacionalidade: o de fora e o de dentro da cultura; é a fronteira do céu.

Fonte: Revista Psique

Jorge Forbes é psicanalista e médico psiquiatra. É analista membro da Escola Brasileira de Psicanálise (A.M.E.), preside o IPLA - Instituto da Psicanálise Lacaniana e dirige a Clínica de Psicanálise do Centro do Genoma Humano da USP. www.jorgeforbes.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...