sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Hoje em dia não basta querer. Tem que querer muito!!!

Achei incrível esse relato e  gostaria de compartilhar. Vale a pena refletir


Crédito: blog Mamãe Antenada – por Pérola Boudakian.


Mães Xiitas


Sempre que ouço falar em amamentação prolongada por 2 anos ou mais, exclusiva por até 6 meses ou mais, escuto também das “mães xiitas”, defensoras do aleitamento, ortodoxas.


Claro que vem também a história de ser mais mãe ou menos mãe.Me vem à cabeça uma imagem terrível de mães em trincheiras batalhando pela verdade, batalhando entre si…


Eu confesso que tô mais para xiita. Explico.


Vivemos, nós mulheres em especial, numa sociedade que produz efeitos imediatos sobre o comportamento: a mídia de forma geral dita regras de conduta, dita tendência, dita modismos, dita posicionamentos, desde a cesárea da cantora x ao parto domiciliar da esposa do ator Y. É uma cultura do aqui, do agora, onde temos que responder pelo imediatismo e acima de tudo pela aquisição.


Uma cultura que exige que a mulher desempenhe papéis diversos, que a cobra por isso, mas que não garante que sua natureza seja respeitada, que não permite que se expresse no auge de sua feminilidade: parir e nutrir seus filhos!


Uma sociedade que mecanizou o nascimento pela cesárea e que está mecanizando o aleitamento pela mamadeira.
Então, nesse absurdo contexto neo liberal, porque seria diferente com a maternidade?


Engana-se quem não acredita que a maternidade é um produto lucrativo para o mercado capital.


Engana-se quem não compreende que incapacitar a mulher dá lucro.


Veja bem:


vende-se enxovais carissímos com muito mais do que o necessário para um bebê
vende-se quartos de bebês e apetrechos muito além do preciso para as demandas de um bebê
vende-se roupinhas e mais roupinhas – ate os bizarros saltos altos para bebês !!!
vende-se kits de mamadeira
vende-se esterlizadores de mamadeiras
vende-se escovinhas para mamadeiras
vende-se bicos para água, para leite, para líquidos engrossados
vende-se prendedores de chupetas
vende-se chupetas 0-6 meses
vende-se chupetas 6-24 meses
vende-se aparelhos para dentes
vende-se leite artificial (de tipos e qualidades variadas)
vende-se mais leite artificial para 1+, 2+, 6+ e etc
vende-se carrinhos e mais carrinhos de passeio
vende-se consultas e mais consultas à pediatras
vende-se suplementos, complementos, vitaminas e medicamentos.
Mas sabe o que não se vende? Leite materno não dá lucro.
Aleitamento prolongado não dá lucro.
Não vende mamadeira, chupeta, não vende!






Parir e nutrir no Brasil se reduziu a um vasto mercado para bebês em mega stores lotadas, em maternidades 5 estrelas.
E daí quando vc toma conhecimento disso tudo, quando finalmente a verdade te acerta duro na cachola e você descobre que o mercado capital é mais cruel do que imaginamos, não tem jeito de não militar, de não querer abrir os olhos de tantas mulheres que são convencidas de que são incapazes de parir e nutrir seus filhos, que se ferem acreditando que são incapazes, que falharam.








Realmente não são menos mães. São mães conduzidas socialmente de forma incoerente e cruel.


Leite fraco, pouco leite, insuficiente, peito caído, dor, romantizar o aleitamento, crucificar o aleitamento. No fim o resultado é um só: desmame precoce.


Hoje em dia não basta querer. Tem que querer muito. Muito mesmo.


Porque quando você descobre uma gravidez, já sabe que terá cumes altissímos para escalar se quiser um parto normal. Natural? Domiciliar?Tem que virar mãe -leoa, xiita e se preparar para desafiar saberes consagrados socialmente como inabaláveis.


Amamentar sem sair do consultório do pediatra com receita para leite artificial? Amamentar sem ouvir que teu leite é fraco, que seu bebê chora de fome? Tem que ter muito peito para desafiar a lógica do fracasso!E sabe porque? Porque não gira a roda da fortuna.


É uma realidade triste. Por isso, precisamos ser firmes em nossos propósitos, nos fortalecer, buscar informação de qualidade, ler, questionar e buscar coletivos que afinem com nosso jeito de encarar as coisas…


Se depender da TV, da mídia e de opiniões enraizadas e ensimesmadas, parir e nutrir continuará sendo mérito de meia dúzia de mulheres taxadas mundo afora de naturebas e xiitas…


É nesse mundo que você quer que teu filho/a cresça?

2 comentários:

  1. Além de querer MUITO, tem que ter alguém que ajude MUITO. Querer muito sem ter quem ajude, ás vezes causa o desmame precoce involuntário (meu caso que procurei banco de leite e não fui acolhida). Hoje ajudo outras mães no que posso, mas na época não tinha acesso as informações e mídias sociais como tenho hoje.

    Fernanda
    http://leitoraincomum.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Relato perfeito... eu ainda amamento meu filho de 2 anos e ouço criticas de todos os lados, esse leite não serve para nada, vc é louca etc etc etc... finjo que não escuto. Se o meu leite não é bom para o meu filho, porque o leite de uma vaca que deveria servir apenas aos seus bezerros é bom? O pior é que não tiram o leite da vaca só 3 meses (tempo que ela amamentaria seu bezerro) mas por 4 a 5 anos,não só 10 litros por dia, mais 100. Vacas injetadas com hormônios sintéticos e antibióticos, vacas tristes... porque o leite dela é melhor para os nossos filhos? E pior ainda são as fórmulas, onde tudo é sintético... O leite materno custa R$0. Será por isso que ele não vale a pena.

    obrigada pelo texto Juliana

    ResponderExcluir

Olá, estou imensamente grata pela sua visita.
Deixe seu comentário, o seu olhar também melhora o meu.
Forte abraço,
Volte Sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...